O portal reune pesquisadores de mestrado e doutorado dos programas de direito e de engenharia e gestão do conhecimento da UFSC, sob a coordenação dos professores Aires José Rover e Orides Mezzaroba. A partir de 2008 formou-se várias parcerias em especial com a Universidade de Zaragoza, Espanha. Tem por objetivo principal consolidar o estudo e disseminação de trabalhos sobre governo eletrônico, inclusão digital e sociedade do conhecimento.

 

Conta de usuário


To prevent automated spam submissions leave this field empty.


Projetos e Temas de Interesse



Observatório do E-GOV

Projeto

Revista de governo eletrônico

Revista

Disciplinas

Disciplinas de graduação e pós

BuscaLegis

Biblioteca Jurídica online

Como Demetrius Lima disse, no Segundo Seminário de Mídia e Conhecimento (Midcon), recentemente, na UFSC de Araranguá, passamos pela Sociedade da informação, indo para a do Conhecimento e agora nos encontramos na Sociedade da Experiência. O que isso quer dizer e o que isso tem a ver com a notícia afinal? Calma, eu explico!

Não basta encontrar a informação certa e gerar um conhecimento. A sociedade quer mais do aprendizado, do consumo e da produção.  As pessoas buscam a experiência. Foi-se o tempo em que você desejava ter aquele CD/DVD/Vinyl, fazendo verdadeiras coleções de estimação. Em tempos de Netflix, Spotify, Uber, entre tantos outos, busca-se, cada vez mais a experiência do momento, sem a necessidade da posse do filme, da música, do carro e até mesmo do conhecimento (falando nisso, você já ouviu falar da Netflix da educação?)

E é nesse ambiente de compartilhamento de experiências que surge o Wikilex, com um lema bastante objetivo: construindo o conhecimento colaborativo.

A ideia é criar uma grande rede de colaboradores, que englobe servidores, magistrados, assessores e estagiários. O problema é que parou por aí: advogados, promotores e demais juristas ou mesmo cidadão comum não podem incluir e editar conteúdos, mas têm acesso ao conteúdo de forma pública e "livre". Na prática, dá a entender que resolveram criar um banco de dados fora do sistema autônomo do judiciário (SAJ), para facilitar a aplicação do novo CPC.

A construção de conhecimento proposta, apesar de maneira limitada e restrita, mostra-se como um avanço significativo do Tribunal Catarinense, cada vez mais preocupado com necessidade de criação de um banco de dados de experiências, interoperável em dispositivos móveis, a fim de evitar a perda de conhecimento com a saída de servidores capacitados. O primeiro conteúdo já disponível é o Código de Processo Civil de 2015, o qual é separado conforme seus artigos e há a Legislação Correlata, as Súmulas, Jurisprud...

thabta
29/06/2016 - 12:06
0 comentário(s)